Quatro mudanças no mundo dos negócios em 2020

Essas quatro tendências impulsionarão novas idéias e inovações nos negócios.

POR PAUL SCHOEMAKER , PESQUISADOR SÊNIOR E EX-DIRETOR DE PESQUISA DO INSTITUTO MACK, DA WHARTON

Quando o mundo muda em uma velocidade impressionante, a inovação torna-se a arma mais importante de uma organização. A história dá algumas lições importantes sobre como empunhar essa arma no futuro.

Neste artigo destaca-se que o processo de inovação, por si só, está se transformando “de fora para dentro”, além de outras tendências importantes.

Primeiro, ao pensar no futuro da inovação, é instrutivo olhar para trás, pois mostra que inovações significativas ocorreram no próprio processo de inovação. Em segundo lugar, as empresas passaram da inovação de dentro para fora, onde as empresas se baseiam em forças essenciais para conquistar adjacências e abrir a inovação. 

Por exemplo, a P&G é um excelente caso dessa tendência profunda. No passado, quase toda inovação vinha da P&G; agora a maioria das inovações são originárias de fora, usando uma abordagem chamada “conectar e desenvolver”. Essa tendência continuará mais algumas destacadas abaixo.

Quantum Innovation

Antes de mais nada, a abordagem do Google é um excelente exemplo de “inovação quântica”, que é definida como um pensamento pronto para uso que atrapalha os concorrentes e até a própria empresa. A mudança de paradigma subjacente às inovações quase nunca se encaixa no modelo de negócios atual e na estrutura da organização. Primeiramente começa com um senso muito amplo de propósito e objetivos audaciosos, como o desejo do Google de organizar o conhecimento do mundo ou o desejo de Tesla de tornar carros elétricos comuns. É isso que empreendedores como Richard Branson (Virgin), Elon Musk (SpaceX e Telsa), Sarah Blakey (Spanx) e John Mackey (WholeFoods) se destacam. O Cancer Treatment Center of America também está fazendo isso, repensando o mundo dos cuidados com o câncer, com o paciente em primeiro lugar em tudo o que acontece.

Novos formulários organizacionais

O tradicional ambiente de trabalho das 9 às 5, de segunda a sexta-feira, está dando lugar a muitas novas formas organizacionais. Ao passo que agora vemos empresas virtuais; parcerias em rede internas e externas (pense Uber e Airbnb); e empresas que criam novas startups. Outras novas formas incluem organizações ambidestras, que podem se concentrar nos produtos existentes e, ao mesmo tempo, acompanhar a criação de novos produtos ou mercados, e empresas de frente para trás, que colocam o cliente no centro de todas as suas atividades. Por fim, existem empresas de “sensibilidade e resposta”, como a Zara, uma varejista que traduz rapidamente as tendências da moda em uma remessa de novos produtos duas vezes por semana. Enfim, essa enxurrada de inovação nas formas organizacionais continuará sendo alimentada pela tecnologia e pelas novas abordagens do equilíbrio entre vida profissional e pessoal. 

Inovação Reversa 

Primordialmente, a globalização e a terceirização levaram à “inovação reversa”, uma vez que, o mundo não é mais uma rua de terceirização de mão única que se move do oeste para o leste. Enquanto o Ocidente ainda exporta muitos produtos e serviços de ponta para os países em desenvolvimento (e ainda gera mão-de-obra barata), as inovações nos mercados emergentes agora estão voltando também para o Ocidente. Isso está acontecendo com o Brasil, a China e a Índia em campos tão diversos como biocombustíveis, TI e medicina. Novas abordagens para fazer quadris artificiais baratos na Índia, por exemplo, estão voltando para os EUA e a Europa. Além disso, a inovação reversa geralmente significa inovação frugal, que é bem-vinda em um mundo onde o acesso a capital, terra, trabalho e recursos naturais se tornou uma questão estratégica de negócios premente vinculada à sustentabilidade.

https://forti1.com/o-relevancia-da-gestao-de-ativos-de-ti/

Colhendo erros

Muitas descobertas surgiram de uma sequência de erros ou falhas. Definitivamente, nem todos os erros são ruins; uma vez que muitos são portais de descoberta. A adoção de uma mentalidade mais tolerante sobre erros abre caminho para testar novos processos e projetos, mesmo aqueles que podem não parecer promissores inicialmente. Sob o mesmo ponto de vista, muitas inovações bem-sucedidas não acontecem até serem nutridas em um estágio inicial e suportar muitos contratempos, falhas e ajustes. Como observou o fundador da Honda, “o sucesso é uma falha de 99%”. Em vez de esperar que erros brilhantes ocorram por acaso, as empresas de ponta podem realmente incentivar erros deliberados, definidos como testes além do seu sistema de crenças – apenas para ver. Tais experimentos não podem ser justificados usando análise racional de custo-benefício. Portanto, eles exigem líderes e uma cultura que vê os erros como um portal de descoberta.

Como inovar para o futuro

Quando o mundo está mudando a uma velocidade vertiginosa, a inovação se torna a arma mais importante de uma organização. A história oferece algumas lições importantes sobre como manejar essa arma no futuro:

  • O mundo é um grande lugar: não se limite apenas à inovação de dentro da sua empresa.
  • Objetivo elevado: caso contrário, a inovação incremental pode fazer com que você perca oportunidades inovadoras.
  • Experimente novas estruturas organizacionais que são ágeis e horizontais.
  • Pratique a inovação econômica e aprenda tanto da parte inferior da pirâmide quanto da parte superior.
  • Veja os erros como portais de descoberta: toda falha tem o aprendizado como um lado positivo.
  • Cultive líderes que prosperam com a incerteza, adotam a visão de longo prazo e defendem a mudança.

Read More (english)…

PT_BR
Rolar para cima